A Religião, sob a ótica de Desmond Morris

este post, analiso o interessante trecho do livro do zoólogo Desmond Morris, "O Macaco Nu", a respeito da nossa suposta necessidad...

este post, analiso o interessante trecho do livro do zoólogo Desmond Morris, "O Macaco Nu", a respeito da nossa suposta necessidade ancestral de religião e deus.






desmond morris
Desmond Morris



Desmond Morris é um dos mais destacados e polêmicos etólogos e zoólogos britânicos. Suas análises comportamentais humanas, baseadas quase que exclusivamente nas características animais do Homem são, ao certo, o ponto-chave das maiores polêmicas que causa. Assim foi em 1967, quando lançou o livro "O Macaco Nu" (The Naked Ape), relançado no Brasil pela Record em 2004. Neste trabalho, Morris se propõe a analisar o Homem do ponto de vista da Etologia, colocando-o no mesmo patamar dos outros animais, especialmente os macacos e os símios, para fazer uma analise comparativa comportamental.





livro o macaco nu


Mas a parte que nos interessa do livro, é a que procura explicar as funções sociais da religião e as origens da necessidade de um deus. Morris vai longe, até começo da vida em sociedade das primeiras aglomerações humanas, para tentar elucidar esse estranho comportamento.



O autor afirma em seu trabalho, que "em sentido comportamental, as atividades religiosas consistem na reunião
de grandes grupos de pessoas que executam longas e repetidas exibições
de submissão, no intuito de apaziguar o indivíduo dominante." Dependendo do tipo de cultura, este indivíduo dominante é retratado de diferentes maneiras, podendo tomar a forma de um ser de outra espécie, ou de um ancião e sábio da mesma espécie. Eis como Morris descreve a veneração que se pratica a esta figura:



"As respostas submissas que lhe são oferecidas podem consistir em fechar
os olhos, baixar a cabeça, pôr as mãos em atitude de súplica, ajoelhar,
beijar o solo, ou mesmo chegar à prostração extrema, frequentemente
acompanhada de vocalizações de lamento ou de cânticos. Se esses atos de
submissão são bem sucedidos, o indivíduo dominante acalma-se. Como
mantém enormes poderes, as cerimônias de apaziguamento têm de ser
praticadas a intervalos regulares e frequentes, para impedir que o
dominador volte a sentir-se irado. Em regra, mas não sempre, o indivíduo
dominante é chamado um “deus”."



A partir de então, o autor traça um paralelo entre este comportamento tipicamente religioso e as origens ancestrais do Homem, para demonstrar por que estes "deuses", que nunca existiram em forma corpórea, tiveram que ser inventados:



"Antes de nos termos tornado caçadores cooperantes, devemos ter vivido em
grupos sociais semelhantes aos que ainda hoje se veem em outras
espécies de macacos e símios. Nos casos típicos, cada grupo é dominado
por um só macho. Este é ao mesmo tempo patrão e senhor todo-poderoso e
cada membro do grupo tem de apaziguá-lo ou sofrer as consequências. O
chefe é também o membro mais ativo na proteção do grupo contra os
perigos exteriores e no ajuste de contendas entre os restantes membros.
Durante toda a vida, cada membro do grupo gira à volta do animal
dominante. O seu papel de detentor de poder absoluto dá-lhe uma posição
semelhante à de um deus."




Entretanto, Morris explica que a necessidade de cooperação dos nossos primeiros ancestrais, quando tornaram-se caçadores, ajudou a limitar o poder do macho dominante. Os membros do grupo não deviam mais temê-lo, e sim cooperar com ele para uma caçada bem sucedida. "Para isso, o chefe tinha de ser cada vez mais como 'um dos outros'". Mas este fator gerou um problema: o desaparecimento da figura-chave de um ser que precisava ser temido e venerado. Eis como o autor afirma que o problema foi então solucionado:



"Devido aos nossos antecedentes, conservamos a necessidade de uma figura
todo-poderosa que mantivesse o grupo sob um certo controle, e a vaga
foi preenchida com a invenção de um deus. Dessa forma, a influência da
figura-deus inventada podia funcionar como uma força complementar da
influência progressivamente decrescente do chefe do grupo. À primeira
vista, surpreende como a religião tem tido tanto sucesso, mas o seu
enorme poder nos dá apenas a medida da força da nossa tendência
biológica fundamental, herdada diretamente dos macacos e símios nossos
antepassados, para nos submetermos a um membro do grupo dominador e
todo-poderoso."




É esta a razão, segundo Morris, da nossa suposta necessidade de "acreditar em alguma coisa". Seria por conta de uma herança comportamental trazida desde os tempos remotos, onde o bando temia e respeitava a figura do macho-alfa. Com o desenvolvimento da espécie humana, o macho dominante passou a ser mais cooperativo e menos temido, mas a necessidade de submissão foi a chave para a criação das religiões e de deuses.



Eu, particularmente, não concordo com o autor quando ele afirma que temos a ancestral necessidade de acreditar em alguma coisa. No meu modo de entender, a historicidade do culto religioso está muito mais vinculada às características da vida na civilização, que nos impuseram durante séculos a prática e conduta religiosas como forma de controle social e comportamento padrão, do que a uma ancestral necessidade de submissão - uma evidência além de tudo, de difícil comprovação. O fato de certos grupos temerem uma figura todo-poderosa está muito mais vinculado ao medo alimentado por padres e sacerdotes do que a uma necessidade biológica. Além do mais, devemos salientar que desde o Iluminismo, quando os Estados do mundo ocidental se tornam laicos, muitas e muitas pessoas simplesmente se sentiram livres para finalmente se declararem descrentes (aqui eu ressalto que me refiro a descrença em deuses e seres sobrenaturais), e portanto, prova desta falta de necessidade.



Mas é preciso afirmar a originalidade da conclusão de Desmond Morris no capítulo do seu livro até aqui comentado. Apesar de dizer que sentimos a necessidade de acreditar em alguma coisa e que só nos mantemos unidos e controlados se temos uma crença comum, ele diz no entanto que "nesse sentido, poderia afirmar-se que qualquer crença serve, desde que seja suficientemente poderosa". Baseados na análise final do autor, podemos destacar dois tipos de crenças possíveis: aquelas que limitam a capacidade e o pleno desenvolvimento humano (eu colocaria a religião e a crença cega em deus enquadrados neste tipo) e aquela que ajuda o homem a crescer e a se desenvolver (e aqui eu colocaria a ciência, com a devida ressalva de que não se trata de dizer que a ciência seja questão de crença, mas sim no sentido de opção de busca por conhecimento). Nas palavras do autor:



"Acontece ainda que certos tipos de crença são mais prejudiciais e
estupidificantes do que outros, podendo mesmo desviar uma comunidade
para tipos de comportamento rígidos que impeçam o respectivo
desenvolvimento qualitativo.
[Por outro lado], como espécie, somos um animal
predominantemente inteligente e explorador, e todas as crenças baseadas
nesse fato são-nos extremamente benéficas."



Só não concordo com o autor quando ele afirma, muito otimista, que a "crença" baseada no nosso lado "inteligente e explorador" vem se transformando na "'religião' do nosso tempo", ou seja, substituindo gradativamente a tradicional forma de crença religiosa. Muito pelo contrário, a ciência e o conhecimento científico já experimentaram dias melhores. Hoje ela sofre ataques tanto com o avanço do paradigma pós-moderno, quanto com o crescente fundamentalismo religioso no mundo, e até no Brasil. Os últimos debates presidenciais baseados na questão do aborto, na sexualidade e nos ataques difamatórios contra a candidata supostamente ateia, não me deixam mentir.



Fonte: O Macaco Nu. Ed. Record, pp. 140-3

COMMENTS


Nome

ateísmo e religião ciência Filosofia história Sem Categoria Ufo arqueologia e Mistérios
false
ltr
item
Rama na Vimana: A Religião, sob a ótica de Desmond Morris
A Religião, sob a ótica de Desmond Morris
http://static.guim.co.uk/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2008/09/06/Desmond-Morris-460x276.jpg
http://4.bp.blogspot.com/_JDkQTIC4LSo/SLvlByMjhDI/AAAAAAAAAMo/LMZ1_lePYVQ/s72-c/o+macaco+nu+LEVE.jpg
Rama na Vimana
http://ramanavimana.blogspot.com/2010/10/religiao-sob-otica-de-desmond-morris.html
http://ramanavimana.blogspot.com/
http://ramanavimana.blogspot.com/
http://ramanavimana.blogspot.com/2010/10/religiao-sob-otica-de-desmond-morris.html
true
2052759484535425255
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PARTE POSTS Ver todas VEJA TAMBÉM CATEGORIAS ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Sua busca não gerou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sabado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy