A supremacia do Ocidente sobre o resto do mundo (parte final)

Hoje completa-se 10 anos do ataque às Torres Gêmeas do World Trade Center e ao prédio do Pentágono, no que é considerado o "maior ate...

world_trade_center Hoje completa-se 10 anos do ataque às Torres Gêmeas do World Trade Center e ao prédio do Pentágono, no que é considerado o "maior atentado terrorista da história". Desde o começo deste mês, você deve estar acompanhando uma série de reportagens em vários meios de comunicação que reproduzem a visão Ocidental dos fatos ocorridos em 2001. O Rama na Vimana oferece um outro lado mais abrangente e profundo desse desentendimento histórico. Não temos como deixar de ressaltar a responsabilidade dos Estados Unidos na causa do atentado e na morte dos 3 mil inocentes do WTC e na brutal reação criminosa no Oriente Médio. Acompanhe a parte final da matéria sobre o domínio do Ocidente no mundo que começou ontem aqui.
 
No final da última Era Glacial, há aproximadamente 12 mil anos, o reaquecimento da Terra teve consequências em todos os lugares, mas impactou muito mais algumas regiões geograficamente melhor localizadas, nas latitudes entre 20º e 35º Norte no mundo antigo, onde a temperatura adequada fez crescer uma variedade de cereais e mamíferos domesticáveis. Favoreceu, dessa forma, o advento da Agricultura nestas áreas. Não aconteceu porque as pessoas destas regiões fossem mais inteligentes ou esforçadas; a Natureza havia simplesmente lhes dado mais abundância do que em outros lugares.
Foi no Crescente Fértil que a Agricultura surgiu, por volta de 7.500 AEC, depois na China e no Paquistão (5.500 AEC) e no México e Peru, e daí, com o desenvolvimento e difusão de técnicas agrícolas, para o resto do mundo.
 
crescente-fertil
 
Muita gente há de pensar que desde o surgimento da agricultura no oeste da Ásia -- e a reboque dela, de grandes cidades-estados e civilizações avançadas -- que o Ocidente está na vanguarda do progresso humano, no topo da escala do desenvolvimento, sendo sempre a região mais rica, mais poderosa e mais sofisticada do mundo, o que não é verdade. Por mais de mil anos, entre 600 e 1700 EC, esse posto foi ocupado pela China.
Enquanto a Europa vivia uma fase de estagnação cultural, os chineses formaram um grande reino unificado. Ian Morris afirma que:
Enquanto os portugueses tentavam descer a costa oeste da África no sec. XV, os imperadores chineses lançavam frotas enormes que viajavam por boa parte do Oceano Índico sob a liderança do almirante Zheng He, que arrecadavam tributos em cidades da Índia, visitaram Meca e chegaram até o Quênia. Se Colombo liderou três navios e 90 marinheiros, Zheng esteve à frente de 300 embarcações e 27.870 homens.
A geografia favorável foi a grande responsável pelo sucesso de algumas regiões na Antiguidade e na Idade Média, mas também foi por causa dela que estas mesmas regiões declinaram em outras épocas, conforme novas contingências, tais como o comércio, se deslocavam para o oeste cada vez mais. Das cidades italianas de Gênova e Veneza -- com a conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos -- o centro de comércio europeu se deslocou do Mediterrâneo para o Atlântico, favorecendo primeiro cidades como Lisboa e Madri, e logo depois, Londres.
 
london 17th century
cidade de Londres no século XVII
 
A Grã-Bretanha, há 4 mil anos, era uma região de povos tribais, longe dos grandes centros de civilização como os vales do Nilo, do Indo e do Rio Amarelo, onde cidades grandiosas haviam se estabelecido. A geografia não a favorecia nesse período. Mas há 400 anos, com o deslocamento do eixo do comércio para o oeste da Europa, a mesma geografia que a prejudicava antes, agora a favorecia. A Inglaterra estava de frente para o recém-descoberto continente do Novo Mundo, numa época em que se procurava por novas colônias e matérias-primas. O caminho entre a ilha britânica e a América pelo Oceano Atlântico era a metade da distância da China para o Novo Mundo pelo Pacífico. Estava inaugurada a Era de domínio ocidental do planeta.
Mas, curiosamente, a história continua se deslocando para oeste. Depois das Duas Guerras Mundiais, a supremacia econômica, cultural, política e militar sai das mãos dos britânicos e vai para a ex-colônia americana, que durante algum tempo, ainda teve que disputá-la com a antiga rival de Guerra Fria, a URSS. Vencida, a União Soviética abriu caminho para que os EUA se tornassem a única potência hegemônica mundial.
 
nagasaki-bomba
A Bomba Atômica inaugura a entrada americana no cenário de domínio global
 
Na falta de um grande adversário para satanizar, aos moldes da União Soviética, a partir dos anos 90 os Estados Unidos elegem as regiões petrolíferas do Oriente Médio como a bola da vez, provocando guerras e intervindo diretamente na região, derrubando governos, apoiando regimes ditatoriais e guerras, cultivando inimigos e batizando-os com a etiqueta genérica de “terroristas”.
Reagindo ao que consideram uma violência xenófoba-religiosa-econômica dos Estados Unidos contra os povos árabes, que são invadidos e desrespeitados em seus assuntos internos, grupos fundamentalistas como a Al Qaeda de Osama Bin Laden planejam atentados contra o Império pelo mundo afora, que culminam no ataque às Torres Gêmeas do WTC há exatamente 10 anos.
O terrorismo da reação do governo americano não foi menor do que o produzido por Bin Laden. Muito pelo contrário. Neste últimos 10 anos, 900 mil pessoas foram assassinadas pela “Guerra ao Terror” no Oriente Médio — um número de mortes 300 vezes maior do que as vítimas do WTC.
 
IRQ_War_dead_2_f_77
 
 
iraq-hospital
 
economia-de-guerra
 
 
PrisindeGuantnamofotoAgenciasFoto8
 
 
victm of war
 
ach12
 
Tudo isso mostra que o Ocidente, que domina o mundo nos últimos 400 anos, não tem nada de especial, não estão no topo da civilização mundial e tem nenhum direito de se impor ao resto do mundo. Está apenas exercendo uma hegemonia temporária, enquanto se recusa a estabelecer um diálogo de respeito com aqueles que não compactuam com a sua visão de mundo. Esta falta de entendimento entre Ocidente e Oriente é antiga e piorou muito com a hegemonia americana. Ao que tudo indica, ao olharmos o trajeto que a história tem feito no mapa nos últimos séculos, é provável que a China supere o Ocidente entre 2050 e 2100 e reconquiste a sua posição de hegemonia econômica, política e militar no planeta. Será o fim do efêmero domínio dos Estados Unidos e do Ocidente. Resta saber se a transição será pacífica, ou causará mais guerras e  mortes de inocentes no futuro.
 
 

COMMENTS


Nome

ateísmo e religião ciência Filosofia história Sem Categoria Ufo arqueologia e Mistérios
false
ltr
item
Rama na Vimana: A supremacia do Ocidente sobre o resto do mundo (parte final)
A supremacia do Ocidente sobre o resto do mundo (parte final)
http://lh4.ggpht.com/-R0LRIQzxjB0/Tmvni6Jt7sI/AAAAAAAABDc/CY69YDlw6aI/world_trade_center_thumb%25255B11%25255D.jpg?imgmax=800
http://lh4.ggpht.com/-R0LRIQzxjB0/Tmvni6Jt7sI/AAAAAAAABDc/CY69YDlw6aI/s72-c/world_trade_center_thumb%25255B11%25255D.jpg?imgmax=800
Rama na Vimana
http://ramanavimana.blogspot.com/2011/09/supremacia-do-ocidente-sobre-o-resto-do_11.html
http://ramanavimana.blogspot.com/
http://ramanavimana.blogspot.com/
http://ramanavimana.blogspot.com/2011/09/supremacia-do-ocidente-sobre-o-resto-do_11.html
true
2052759484535425255
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PARTE POSTS Ver todas VEJA TAMBÉM CATEGORIAS ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Sua busca não gerou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sabado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy