Pensamento crítico como arma de autodefesa intelectual

É de se espantar o número cada vez maior de adeptos de pseudociências e a persistência de crenças injustificadas nesse começo de Terceiro M...

wicca É de se espantar o número cada vez maior de adeptos de pseudociências e a persistência de crenças injustificadas nesse começo de Terceiro Milênio, como por exemplo esoterismos em geral, curas milagrosas, astrologia, comunicação com os mortos... Existem muitas pessoas mal-intencionadas que desejam nos iludir para ganhar algum tipo de vantagem, e a partir de agora vamos denunciar algumas das artimanhas mais utilizadas nestas práticas, bem como na política e na mídia. É preciso estar atento e usar o discernimento crítico para não cair em golpes ou enganações.

 

 

A primeira coisa que se deve fazer é preocupar-se com seu cérebro. A segunda é abstrair-se de todo esse sistema [de doutrinamento]. Existe um momento em que isso se torna um reflexo de ler a primeira página [da Folha de São Paulo ou d’O Globo, por exemplo] em busca dos enganos e das distorções, um reflexo de recolocar tudo aquilo em uma espécie de quadro racional. Para chegar a esse ponto, é preciso ainda reconhecer que o Estado, as corporações, as mídias e assim por diante o consideram um inimigo: então você deve aprender a se defender. Se tivéssemos um verdadeiro sistema de educação, daríamos cursos de autodefesa intelectual.

Noam Chomsky, linguista e filósofo norte-americano

 

A linguagem como ferramenta de enganação

A linguagem constitui uma das maiores criações humanas. Através dela, podemos comunicar pensamentos, transmitir ensinamentos, dar explicações, emocionar, e muito mais. Um instrumento tão poderoso como esse também pode ser usado — e frequentemente é — como arma de persuasão, enganação e ilusão, e por isso que precisamos identificar as atitudes maliciosas para combatê-las com inteligência crítica.

george_orwell Um dos mais frequentes recursos linguísticos para enganar é o eufemismo, a arte de mascarar ou minorar uma ideia desagradável ao fazer referência a ela usando palavras com conotações mais suaves e menos negativas. Leia aqui o que disse George Orwell (imagem à direita), o inventor do conceito de “novilíngua” no livro 1984 — uma linguagem estranha que permite dizer, por exemplo, que “a escravidão é a liberdade”.

A mídia é mestra neste tipo de recurso, e a guerra é um campo fértil de sua utilização. Separamos alguns exemplos destacados por Norman Baillargeon em seu livro[1] que mostram como a guerra, desde o Vietnã até nossos dias, é tratada pelos políticos e pela mídia norte-americana.

 

  O que eles dizem:

  A realidade:

  Perdas colaterais

  Morte de civis inocentes

  Forças de “manutenção da paz” no Caribe (R. Reagan, 1983)

  Forças Armadas americanas que invadiram Granada

  Esforço de Ajuda e Missão de Compaixão (Bill Clinton)

  Entrada violenta de tropas americanas na Somália

  Luta contra o terrorismo

  Comissão de ações terroristas

  Receita Especial

  Napalm

  Incursão

  Invasão

 

monica-serra Outro recurso menos conhecido, mas bastante utilizado para a enganação é o disfemismo, que nada mais é do que o oposto do eufemismo. Utiliza-se expressões pesadas e tendenciosas no lugar de outras mais neutras no intuito de persuadir o interlocutor ou o telespectador. É nesse sentido que os ocupantes de terras improdutivas se tornam “invasores de terras” no Jornal Nacional; que os defensores palestinos do direito a autodeterminação são chamados de “terroristas”; e que Mônica Serra (imagem à esquerda), esposa do ex-candidato a presidente José Serra, tentou manipular a opinião dos crentes, quando acusou nas últimas eleições a candidata Dilma de ser “assassina de criancinhas”, por supostamente ser a favor do aborto, aproveitando a comoção religiosa sobre o tema. Tenho certeza que você encontra outros casos similares a estes na imprensa.

Voltaremos com esses assuntos em outros posts, para que possamos mostrar como devemos defender nosso cérebro de influências perniciosas que visam a moldar nossa opinião de acordo com interesses de outras pessoas.

 


[1] BAILLARGEON, Normand. Pensamento Crítico. Um curso completo de autodefesa intelectual. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2007.

 

COMMENTS


Nome

ateísmo e religião ciência Filosofia história Sem Categoria Ufo arqueologia e Mistérios
false
ltr
item
Rama na Vimana: Pensamento crítico como arma de autodefesa intelectual
Pensamento crítico como arma de autodefesa intelectual
http://lh6.ggpht.com/-NHZKz6ZD1lQ/TyWCTzEdQJI/AAAAAAAABoI/zziA6HalrLM/wicca_thumb%25255B3%25255D.jpg?imgmax=800
http://lh6.ggpht.com/-NHZKz6ZD1lQ/TyWCTzEdQJI/AAAAAAAABoI/zziA6HalrLM/s72-c/wicca_thumb%25255B3%25255D.jpg?imgmax=800
Rama na Vimana
http://ramanavimana.blogspot.com/2012/01/pensamento-critico-como-arma-de.html
http://ramanavimana.blogspot.com/
http://ramanavimana.blogspot.com/
http://ramanavimana.blogspot.com/2012/01/pensamento-critico-como-arma-de.html
true
2052759484535425255
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PARTE POSTS Ver todas VEJA TAMBÉM CATEGORIAS ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Sua busca não gerou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sabado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy